Construção de Edifícios

Atos Regulatórios

1. Autorização, Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento

CHÁCARA SANTO ANTÔNIO Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
MARQUÊS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
TATUAPÉ Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
ARAÇATUBA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
ARARAQUARA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
ASSIS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
BAURU Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
CAMPINAS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
JUNDIAÍ Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
LIMEIRA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
RIBEIRÃO PRETO Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SANTANA DE PARNAÍBA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SANTOS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SÃO JOSÉ DO RIO PARDO Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
SOROCABA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
BRASÍLIA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
GOIÂNIA Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)
MANAUS Autorização Resolução CONSUNI n. 160.615/1 de 15/06/2016 (Portaria Normativa n. 40/2007 republicada em 29/12/2010 para fins de expedição de diploma)

Projeto Pedagógico do Curso (PPC)

1. Objetivos do Curso

O profissional que se forma no Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios pela UNIP visa a suprir, com mão-de-obra qualificada, o vazio existente entre o engenheiro civil responsável pela construção do edifício e os trabalhadores que compõem a equipe de execução do empreendimento.

2. Atividades Principais

O profissional em Construção de Edifícios atua no gerenciamento, planejamento e execução de obras de edifícios. Ele é o profissional que orienta, fiscaliza e acompanha o desenvolvimento de todas as etapas desse processo, desde o planejamento e acompanhamento de cronogramas físico-financeiros até o gerenciamento de resíduos das obras, objetivando, em todas essas etapas, que haja segurança, otimização de recursos e respeito ao meio ambiente. Elabora o planejamento e o projeto básico do Canteiro de Obras de edifícios a serem construídos para aprovação final do engenheiro civil responsável; gerencia e supervisiona o Canteiro de Obras sob orientação do engenheiro civil responsável; elabora relatórios de desempenho da evolução da obra; gerencia as atividades dos laboratórios tecnológicos de controle de qualidade dos materiais de construção da obra; assessora o engenheiro responsável na compra de materiais; elabora relatórios periódicos de desempenho dos equipamentos de construção (gruas, bombas de concretagem, betoneiras, caminhões basculantes, balancins, elevadores de serviço, sistemas de fôrmas e cimbramentos, vibradores etc.). Atua, também, na restauração e manutenção de edificações, comercialização e logística de materiais de construção..

3. Mercado de Trabalho

O profissional em Construção de Edifícios assessora o engenheiro civil responsável pelo edifício no projeto, construção, fiscalização de obras, perícia, planejamento e manutenção nas seguintes áreas e aplicações respectivas:

  • de materiais: indústrias de concreto, na produção de pré-moldados e pré-fabricados, e indústrias de estruturas metálicas voltadas para a construção de edificações;
  • de estruturas: edifícios residenciais, industriais ou comerciais, pontes e viadutos, túneis, barragens, muros de contenção etc.;
  • de hidráulica e saneamento: sistemas de tratamento e de distribuição de água,  sistemas de tratamento de esgotos, tratamento de resíduos residenciais, industriais e hospitalares, e sistemas de drenagem em geral;
  • de transportes e geotecnia: estradas, portos, aeroportos, hidrovias, sistemas viários urbanos, metrôs, obras de terra, fundações etc.;
  • de meio ambiente: impactos ambientais, reciclagem de resíduos, otimização energética, fontes alternativas de energia e sustentabilidade ambiental.

Esse profissional pode, ainda, assessorar o engenheiro civil responsável em instalações elétricas de pequeno porte, administração e gerência, informática e pequenos projetos arquitetônicos.

O profissional formado pela UNIP encontra-se perfeitamente habilitado a trabalhar em escritórios de construção civil, indústrias, empresas construtoras, laboratórios tecnológicos, serviços públicos e instituições específicas ligadas à engenharia civil. O campo de trabalho é bem amplo e promissor, sempre vinculado diretamente à situação econômica do País. Hoje, as especializações ligadas à qualidade, à segurança, à proteção e à durabilidade estão em crescimento. Além disso, o surgimento de planos habitacionais populares para a compra de imóveis financiados pelas construtoras implica um aumento do número de obras, de novas tecnologias e, consequentemente, de uma maior demanda desse profissional.

4. Duração do Curso

3 anos

5. Critérios de Promoção, do Regimento Geral da UNIP

Art. 79-A. Da Avaliação da Aprendizagem para os Cursos Superiores de Tecnologia.

I - Rendimento Escolar
A apuração do rendimento escolar é feita por disciplina, conforme as atividades curriculares, abrangendo os aspectos de frequência e aproveitamento.
Assim, o aluno somente poderá ser aprovado e/ou prestar exames com o mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência às aulas e demais atividades programadas para a disciplina.

II - Critérios de Promoção
Os critérios de promoção, envolvendo, simultaneamente, a frequência e o aproveitamento escolar, são os seguintes:
a) se a frequência do aluno for inferior a 75% (setenta e cinco por cento), ele estará reprovado na disciplina;
b) em caso contrário, serão feitas avaliações, assim distribuídas:

  • duas Notas do Professor (NP1 e NP2) para as atividades curriculares, com peso 4 (quatro) cada uma, na composição da nota semestral de cada disciplina;
  • uma nota referente ao Projeto Integrado Multidisciplinar (PIM), com peso 2 (dois) no cálculo da Média Semestral (MS) de cada disciplina. O aluno deverá entregar, obrigatoriamente, um Projeto Integrado Multidisciplinar (PIM) por semestre e a sua avaliação poderá ser consi­derada como parte da nota de uma ou mais disciplinas.

A Média Semestral (MS) será: MS = NP1 x 4 + PIM x 2 + NP2 x 4 / 10

I - se a MS for igual ou maior que 5,0 (cinco), o aluno estará aprovado na disciplina, naquele semestre.
II - se a MS for menor que 5,0 (cinco), o aluno será reprovado.
III - quando a MS for maior ou igual a 4,75 (quatro-­vírgula-setenta e cinco) e menor que 5,0 (cinco), a MS será arredondada para 5,0 (cinco). O desempenho do aluno é avaliado numa escala de 0 (zero) a 10 (dez).

c) a nota obtida no Projeto Integrado Multidisciplinar (PIM) não incide nas disciplinas cursadas em regime de Dependência, Adaptação ou Antecipação e nas disciplinas optativas ou eletivas. Para estas disciplinas, a MS será calculada pela média aritmética simples entre NP1 e NP2.
d) o aluno reprovado em período letivo que não seja oferecido no semestre seguinte deverá matricular-se em período indicado pela Coordenação do Curso.
e) se a média final do PIM for inferior a 5,0 (cinco), o trabalho será considerado insuficiente para a validação das 100 horas de atividade, ou seja, o aluno estará reprovado na disciplina PIM. Entretanto, esta nota fará parte da média final do aluno no semestre cursado.
f) Para as Atividades Complementares (AC), Estudos Disciplinares (ED) e Estágios Curriculares (EC) de alguns cursos será atribuído um conceito semestral (Aprovado ou Reprovado).

Atenção: A reprovação em uma ou mais disciplinas não impede o aluno de continuar seus estudos nos períodos seguintes.
Os casos omissos serão analisados por uma comissão especialmente indicada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, CONSEPE.

III - Estudos Disciplinares
Os Estudos Disciplinares (ED) são unidades de estudos de caráter obrigatório nos cursos de graduação da Universidade Paulista – UNIP, constituindo um eixo estruturante de formação inter e multidisciplinar que perpassa todos os períodos dos cursos.
A carga horária dos ED é definida no projeto pedagógico de cada curso, considerando suas especificidades.
Os ED utilizam a resolução sistemática de exercícios, indutores do desenvolvimento das competências e habilidades para sua área de formação.
Os Estudos Disciplinares são desenvolvidos com recursos educacionais combinados do ensino presencial e da educação a distância, utilizando, entre outros, a plataforma de Tecnologia de Informação e Comunicação da UNIP.
A avaliação de desempenho dos alunos nos Estudos Disciplinares resultará da combinação do seu aproveitamento nas diferentes atividades.

 

Manual de Informações Acadêmicas e Calendário Escolar

Observação: o PPC está disponível também no setor de atendimento e nas bibliotecas.

INSCREVA-SE

VESTIBULAR   TRADICIONAL E AGENDADO   USE SUA NOTA DO ENEM

VESTIBULAR
TRADICIONAL E AGENDADO
  USE SUA NOTA DO ENEM